Ações de solidariedade trazem esperança e preservam bons sentimentos durante a pandemia

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

São momentos de extrema fragilidade da sociedade que despertam ações solidárias para minimizar danos coletivos. Na pandemia do novo coronavírus isso não está sendo diferente. A vulnerabilidade humana foi exposta de maneira intensa e estimulou o exercício da empatia, em que pessoas são conduzidas a se reconhecerem no lugar dos outros.

Especialistas relatam que o desenvolvimento da solidariedade aciona os sentimentos mais potentes e nobres, ampliando a resistência dos indivíduos, equiparando-os em níveis de igualdade e provocando sensação de união. “A dor e o sofrimento global despertam movimentos de mudança interior, sejam eles individuais ou coletivos”, explica a psicóloga clínica e professora da Faculdade de Ciências Médicas, pós-graduada em filosofia, Maria Clara Jost.

Também, é possível perceber que quando pessoas são estimuladas a buscar um objetivo concreto para se manterem vivas, diante de situações adversas, surge um aumento da capacidade de resiliência e um impulsionamento da força interior que as faz seguir em frente. “Nessas circunstâncias, diante da tristeza, da solidão, da angústia, da depressão, em vez de um maior fechamento e adoecimento, como seria de se esperar, pode ocorrer o contrário, quando a pessoa descobre em si a capacidade de dar uma resposta insubstituível ao chamado que a vida lhe faz. Evidencia-se a responsabilidade com todos aqueles da comunidade humana à qual pertencemos”, relata a psicóloga.

O ato de conseguir enxergar o mundo pelos olhos de outra pessoa pode ser a chave para não esmorecer, mesmo nos momentos difíceis, e para ultrapassar a pandemia com mais leveza. Segundo o Instituto de Psicologia Aplicada (Inpa), estes atos de empatia podem atingir três categorias:

1. Cognitiva: capacidade de compreender o sentimento do outro e sua forma de pensar;

2. Emocional ou afetiva: capacidade de sentir as emoções do outro;

3. Compassiva: além de compreender e sentir, esta é a capacidade de ação que possibilita a alguém ser solidário a ponto de ajudar outra pessoa.

A empatia compassiva é aquela que gera atos de serviço – tão recorrentes na quarentena – como ir ao mercado para ajudar a vizinhança, participar de aniversários online para que pessoas se sintam amadas, preferir comprar itens de pequenos comércios locais e auxiliar pessoas que vivem em vulnerabilidade social, dedicar-se a um trabalho voluntário. Quando o foco sai da dor individual e é expandido para as necessidades coletivas, é possível ressignificar sentimentos e transformar o sentido de uma vida.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade