Autocuidado para o Outubro Rosa: um ato feminino de amor, coragem e força

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Outubro é um mês marcado pela força do feminino. A cada ano, milhares de mulheres no Brasil e no mundo afora enfrentam o diagnóstico do câncer de mama e o superam com a cura. Além de apontar os índices de incidência da doença, há de se ressaltar o extraordinário número de vitoriosas que ultrapassam este desafio com coragem, obstinação e resiliência.

É preciso falar da força feminina para tangibilizar a superação destas mulheres e compreender a relevância da campanha do Outubro Rosa. O movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama teve início nos anos 1990 e, desde então, é celebrado mundialmente com o objetivo de compartilhar informações, promover a conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), em 2019, foram estimados 59,7 mil novos casos de câncer de mama no País, o que representa uma taxa de incidência de 51,29 casos a cada 100 mil mulheres. Este é o tipo de câncer mais presente em indivíduos do sexo feminino em território nacional, se excluídos os tumores de pele não melanoma. A incidência da doença aumenta a partir dos 40 anos e o risco é maior para quem está acima dos 60.

Quando confirmado, o diagnóstico positivo vem acompanhado de um universo de aspectos para além de físico-biológicos, “uma vez que envolve a dimensão existencial do ser-mulher, em sua sexualidade, maternidade, autoimagem e estética”, como relata o artigo científico ‘Mulheres enfrentando o câncer de mama’ publicado na Reme – Revista Mineira de Enfermagem. Relatos intensos desta jornada e histórias exitosas não faltam para fortalecer o Outubro Rosa, enaltecendo estas mulheres e encorajando tantas outras que passam pelos mesmos desafios. 

Mas onde está a chave para evitar compor este grupo? Tudo inicia no autoconhecimento e no autocuidado. É só tocando o próprio corpo, o compreendendo e o amando, com um olhar atento e protetor, que o diagnóstico precoce se faz presente, aumentando a probabilidade de cura em 95% e, assim, reduzindo significativamente o risco à vida. Além disso, segundo o INCA, é possível diminuir em 28% as chances de desenvolver câncer de mama com a adoção de hábitos saudáveis diários, como praticar atividade física, ter boa alimentação, não fumar, manter o peso corporal adequado, não ingerir bebidas alcoólicas e evitar uso de hormônios sintéticos em altas doses.

Oncologistas também explicam que o primeiro sinal da doença costuma ser a presença de um nódulo único, não doloroso e endurecido na mama. Outros sintomas como a deformidade e/ou aumento da mama, a retração da pele ou do mamilo, os gânglios axilares aumentados, vermelhidão, edema, dor e a presença de líquido nos mamilos também podem ocorrer. A coragem de enfrentar o câncer de mama é tão grandiosa quanto o zelo da prevenção.

Faça parte do Outubro Rosa, eleve e encoraje outras mulheres, fortaleça esta corrente de autoproteção.  

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade