Como garantir a preservação da saúde da mulher

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

A saúde da mulher é um tema de maior amplitude do que se imagina. Além dos fatores biológicos, físicos ou mentais, a preservação da vida está intimamente ligada a questões sociais, econômicas, culturais e históricas. Os cuidados com a saúde precisam ser amplamente divulgados e preservados, para que cada vez mais mulheres possam ser protegidas de doenças e situações de risco.

A vulnerabilidade feminina para algumas doenças e causas de morte, em muitos casos, está mais vinculada à situação de desigualdade na sociedade do que com fatores biológicos, afirma a Organização das Nações Unidas (ONU). Dentre as enfermidades em mulheres, as mais frequentes e que merecem maior atenção, de acordo com a Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul, também em resultado da extensão da desigualdade social, são as decorrentes da saúde sexual, considerando infecções sexualmente transmissíveis e doenças ginecológicas; da saúde reprodutiva, com ênfase a questões obstétricas, planejamento reprodutivo e abortamento; do enfrentamento à violência doméstica e sexual; e do câncer de mama e de colo do útero.

No Brasil, o atendimento integral das mulheres, com atenção plena às necessidades e a garantia do acesso, ainda é um desafio e está em processo de consolidação. Nos sistemas de saúde em diferentes países, a prioridade tem sido o cuidado da mulher no campo da saúde reprodutiva, com foco na atenção ao pré-natal e parto, à prevenção do câncer de mama e de colo de útero, às vacinas, dentre outros.

Ainda, segundo a pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), “7,7% da população adulta brasileira foi diagnosticada com diabetes em 2018. As mulheres apresentam maior percentual de diagnóstico com 8,1%, do que em homens 7,1%. Além disso, as mulheres apresentaram uma incidência de obesidade ligeiramente maior, com 20,7%, em relação aos homens, 18,7%”.

Por isso, manter hábitos saudáveis é determinante, em especial para as mulheres, já que uma alimentação balanceada, com ingestão menor de gordura e açúcares, e a prática de atividade física são ferramentas preciosas para a longevidade. Junto ao corpo, os cuidados com a mente compõem o arsenal perfeito para a preservação da vida. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que “a saúde mental feminina é afetada por seu contexto de vida ou por fatores externos (socioculturais, econômicos, de infraestrutura ou ambientais) e a identificação e a transformação desses fatores pode ser uma direção para prevenção primária”.

A união de todos estes componentes que visam o suporte à saúde física e emocional auxiliam na estruturação de ambientes apoiadores, no fortalecimento da resiliência, na criação de condições individuais, sociais e ambientais, e permitem, por fim, que haja um aumento da capacidade de bem-estar e zelo à vida da mulher.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade