Por que o isolamento social é a melhor saída para redução do contágio por coronavírus

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Isolamento social é considerado, ainda hoje, o meio mais eficaz para diminuir a rede de contágio da Covid-19. Pesquisas mostram que uma pessoa tem potencial para contaminar outras três, em média. Esses três indivíduos infectados transmitem o vírus para outros nove. Os nove replicam para 27. Assim, a progressão faz os casos proliferarem rapidamente, em especial, quando o transmissor ainda não apresenta sintomas.

O entendimento sobre a responsabilidade de cada pessoa na rede de transmissão é fundamental para que não se quebre essa corrente protetiva, evitando milhares de novos casos. Uma das principais formas de proliferação do novo coronavírus é por meio de tosse ou espirro – quando são liberadas gotículas com o agente patogênico que ficam no ar ou sobre superfícies. Um indivíduo pode ser contaminado ao respirar as partículas ou após tocar objetos infectados e levar as mãos aos olhos, ao nariz ou à boca. Quanto menor o contato social, menor a disseminação.

Uma simulação de contágio feita pela BBC mostrou que uma pessoa infectada, ao reduzir em 50% seu contato social, diminuiu seu potencial de contágio de 406 pessoas, em um mês, para apenas 15 pessoas. O cálculo da pesquisa também diz que, a cada cinco dias, uma pessoa com o vírus infecta outras 2,5.

Dessa forma, o distanciamento social compõe um conjunto de ações extremamente necessárias, como a ausência de contato físico entre as pessoas, o que inclui aperto de mão e uma aproximação inferior a dois metros. “Esse recurso não é capaz de prevenir 100% das transmissões, mas por meio dessas simples regras nós podemos desempenhar um papel fundamental no controle da disseminação do vírus”, afirma a diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Carissa Etienne.

Atenção para os cuidados de higiene que evitam a transmissão do vírus, segundo o Ministério da Saúde:

– Lavar bem as mãos (dedos, unhas, punho, palma e dorso) com água e sabão e, de preferência, utilizar toalhas de papel para secá-las. Além do sabão, utilizar o álcool gel, que também serve para limpar objetos como telefones, teclados, maçanetas e superfícies;

– Usar lenço descartável para higiene nasal. Deve-se cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Caso não tenha o lenço, usar o braço dobrado (e não as mãos) para cobrir o nariz e a boca;

– Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas;

– Separar roupas e lençóis de pessoas infectadas para higienização separada, e imediatamente após o uso. Caso não seja possível, armazenar os itens em sacos de lixo até a lavagem;

– Máscaras descartáveis devem ser usadas por profissionais da saúde, cuidadores de idosos, mães em amamentação, pessoas com o coronavírus ou com sintomas. Pessoas em geral devem usar máscaras de tecido reutilizáveis.

A diretora da Opas também explica que é possível transmitir o coronavírus por pelo menos cinco dias antes de os sintomas aparecerem – um ponto crítico quando se está no estágio avançado da proliferação. “A única maneira de sair dessa situação será se todos fizermos nossa parte”, enfatiza.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade