Tudo o que você precisa saber sobre câncer de pulmão

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Você sabia que o câncer de pulmão é o segundo mais comum entre homens e mulheres brasileiros e o primeiro em âmbito mundial? Isso porque cerca de 13% dos novos casos de câncer em todo o mundo são de pulmão.

Em levantamento global realizado no ano de 2012, dos 1,8 milhões de novos episódios identificados, cerca de 69% são masculinos e 31%, femininos. No final do século 20, o câncer de pulmão se tornou uma das principais causas de morte evitáveis no mundo. Em cerca de 85% dos casos confirmados, este tipo de tumor está relacionado ao consumo de produtos do tabaco.

Mas esses números vêm caindo ano a ano, diante da menor adesão gradativa ao fumo e o abandono ascendente do tabagismo. O que refletiu na queda da taxa de mortalidade para homens, com redução de 3,8% ao ano e, para as mulheres, 2,3%.

Neste mês, a Campanha Agosto Branco ganha força no País, buscando estimular a diminuição permanente do tabagismo e frear o aumento dos índices de tabagismo. Além da tentativa de conscientizar a população sobre a necessidade de prevenção e a importância do diagnóstico precoce.

O que aumenta as chances do câncer de pulmão

O tabagismo pode se dar de forma ativa ou passiva, ou seja, sendo um fumante de tabaco ou sendo exposto a inalação contínua da fumaça. A poluição do ar, as infecções pulmonares de repetição, o enfisema pulmonar, a bronquite crônica, os fatores genéticos e o histórico familiar de câncer de pulmão favorecem o desenvolvimento desse tipo de câncer.

Saiba como perceber os sintomas da doença

Logo no início, os sinais são imperceptíveis. Por isso, a prevenção é tão relevante neste tipo de câncer. Quando surgem, os sintomas já são um indicativo do avanço do tumor. Os mais comuns são: tosse contínua, catarro com a presença de sangue, dor no peito constante, rouquidão, falta de ar, perda de peso e de apetite. Também, mais presente em pessoas com idade entre 50 e 70 anos.

Entenda como funciona o tratamento

O estágio da doença é o indicador que determina o tipo de protocolo a ser aderido. Atualmente, os tratamentos são estabelecidos de forma individualizada e conforme o caso e a avaliação médica, podendo ser utilizadas cirurgia, quimioterapia, imunoterapia e radioterapia.

Câncer de pulmão e a Covid-19

A American Society of Clinical Oncology – ASCO lançou um comunicado a pessoas com câncer que têm seu sistema imune comprometido sobre o impacto da Covid-19. Em caso do câncer de pulmão, em especial, a ASCO afirma que a inflamação causada pelo coronavírus gera lesão das células epiteliais pulmonares (células produtoras de surfactante que impede que os pulmões se grudem), entre outras complicações. Por isso, segundo a ASCO, os pacientes devem conversar com seus oncologistas e equipes de saúde para discutir as opções para protegerem-se da infecção. A principal recomendação é que os cuidados sejam redobrados e mantidos para esses pacientes, principalmente.

Mais para explorar

Assine nossa newsletter

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Saiba mais no nosso termos de uso política de privacidade